MRMarketing.png

Melhores práticas: Mobile Marketing

O presente é móvel!

 

Não precisa muito. Ande um pouco pelas ruas dos grandes centros e observe as pessoas para constatar como o celular já faz parte do seu dia a dia. O aparelhinho não sai das mãos dos usuários, seja para falar, ler, jogar, trocar mensagens ou acessar as redes sociais. Ou seja, a comunicação móvel já não é mais futuro e sim o presente. Agências e clientes já começaram a desvendar esse “Admirável mundo novo”?
 
O mobile marketing oferece para as empresas uma oportunidade extremamente rica na comunicação, não apenas para apresentar múltiplas possibilidades de customização, mas também por oferecer mais riqueza de experiências com o consumidor. “Analisando em termos de estratégia de comunicação, é uma ferramenta poderosa. E não estamos falando apenas de SMS, que é o iníncio do móbile marketing, mas também de aplicativos e outras formas de interação como tablets e smartphones”, acentua Ana Karina Delgado Fontes, diretora de relacionamento da MR Marketing de Relacionamento.
 
O futuro do mobile marketing é ainda mais promissor, mas usar essas ferramentas exige um conhecimento até hoje nunca empregado. Agências e clientes estão aprendendo a planejar ações, a conhecer o público alvo, a perceber o que funciona ou não. Os modelos de marketing empregados até hoje simplesmente não funcionam nesse ‘admirável mundo móvel’, eles foram feitos para outra realidade.
 
Volume e ações
 
O aumento de ações que envolvem mobile é constante nas agências. Acredita-se que aumentará ainda muito mais. Não podemos esquecer que os e-mails também são abertos em celular e tablet – se não pensou no mobile perdeu esse link.
Para Ana Karina Delgado Fontes, o futuro da plataforma ainda é incerto, porque as ferramentas começam a ser exploradas. Mas aposta no uso de aplicativos. “A oferta está cada vez menos a cara de propaganda e cada vez mais oferecerá experiências ao consumidor. Fazendo um exercício nem tão futurista, podemos pensar em promoções especiais para clientes assim que eles entram na loja ou quando estão nas intermediações. A criatividade não tem limite, assim como as possibilidades trazidas por essa ferramenta.”
 
 
Confira a matéria completa: